Tempo de tela é vinculado a atrasos de fala em crianças pequenas

 

 

 Por Dr. Moises Chencinski*, pediatra e homeopata 

 

Uma nova pesquisa, apresentada durante a Reunião de Sociedades Acadêmicas Pediátricas de 2017, sugere que quanto mais tempo as crianças menores de 2 anos gastam jogando em smartphones, tablets e outras telas, mais provável será que comecem a falar mais tarde

 

Como o número de telefones inteligentes, tablets, jogos eletrônicos e outras telas portáteis continua a crescer, algumas crianças começam a usar esses dispositivos antes de começar a falar. Uma nova pesquisa, apresentada durante a Reunião de Sociedades Acadêmicas Pediátricas de 2017, sugere que essas crianças podem estar em maior risco de atrasos na fala.

 

Os pesquisadores apresentaram os resultados de um estudo sobre o tema que incluiu 894 crianças entre as idades de 6 meses e 2 anos, em Toronto, Canadá, entre 2011 e 2015.

 

Aos de 18 meses, 20% das crianças tinham um uso médio diário de dispositivos portáteis de 28 minutos, de acordo com seus pais. Com base em uma ferramenta de rastreamento para o atraso da linguagem, os pesquisadores descobriram que quanto mais tempo de tela o pai relatava, mais provável era que a criança apresentasse atrasos expressivos na fala.

 

Para cada aumento de 30 minutos no tempo de tela, os pesquisadores descobriram um risco aumentado de 49% de atraso expressivo da fala. Não houve ligação aparente entre o tempo de tela e outros atrasos de comunicação, como interações sociais, linguagem corporal ou gestos.

 

“Os dispositivos portáteis, atualmente, estão em toda parte. Embora as novas diretrizes pediátricas sugiram limitar o tempo de tela para bebês e crianças, acreditamos que o uso de smartphones, tablets e computadores por crianças pequenas tornou-se bastante comum. Este é o primeiro estudo que relata uma associação entre tempo de tela portátil e aumento do risco de atrasos na fala”, afirma o pediatra e homeopata Moises Chencinski (CRM-SP 36.349).

 

Para o médico, que é membro do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo, os resultados apoiam uma recente recomendação da Academia Americana de Pediatria e outra da Sociedade Brasileira de Pediatria que desencorajam o uso de qualquer tipo de mídia digital por crianças menores de 18 meses.

 

“Mais pesquisas são necessárias para entender o tipo de conteúdo e atividades que os bebês estão envolvidos para explorar os mecanismos por trás do aparente vínculo entre o tempo de tela e o atraso na fala”, afirma o pediatra.

 

*Dr. Moises Chencinski

Formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo com título de especialista em pediatria pela Associação Médica Brasileira (AMB).  

Formado pelo CEPAH – Centro de Pesquisa e Aperfeiçoamento em Homeopatia com título de especialista em homeopatiapela Associação Médica Homeopática Brasileira (AMHB).  

Presidente do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo (2016 / 2019).

Membro do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

 

Autor do blog Eu apoio Leite Materno.

Site: http://www.drmoises.com.br

Fanpage: https://www.facebook.com/doutormoises.chencinski/


Tags: , , , , ,