A reprodução assistida e as informações na internet

Por Ana Rosa Detilio Monaco*, psicóloga

A internet é a maior fonte de difusão de conhecimento no mundo e tem contribuído muito para o universo da reprodução assistida, com a popularização e disseminação de informações sobre infertilidade e recursos disponíveis para enfrentá-la.

No ambiente virtual, é possível encontrar diversas informações sobre infertilidade, tais como: clínicas especializadas, tipos de tratamentos, causas, valores e pessoas que estão vivendo a mesma experiência.

Um casal, ao descobrir que tem infertilidade e que irá necessitar de recursos médicos para ter um filho, começa a pesquisar o tema. Buscar informações na internet sobre um diagnóstico e possível tratamento, atualmente, já é um movimento esperado. Os pacientes querem saber mais sobre o que os afligem e o que não conhecem. Sabemos que as mulheres acessam mais a web do que os homens, no que se refere a assuntos de infertilidade e tratamentos de reprodução assistida.

Essa é uma questão bastante pertinente a ser abordada, por envolver análises muito significativas, do ponto de vista psicológico.

Pesquisar em portais de saúde e participar de fóruns de discussão e redes sociais, com quem está vivendo a mesma experiência, sentimentos e dúvidas sobre infertilidade, pode ser uma fonte e tipo de comunicação atrativa para quem não quer se expor fisicamente. Outro ponto é que a solidão pode deixar de existir, pelo menos, por alguns momentos. Falar sobre os sentimentos com pessoas que estão na mesma situação, é confortante e acolhedor.

Obter informações mais precisas sobre os tratamentos e ter a possibilidade de entrar em contato com os especialistas é positivo ao paciente, porque permite que ele esteja bem informado quando passar em consulta, com dúvidas objetivas e argumentos pertinentes sobre o seu caso, que poderão fazer a diferença na compreensão do seu quadro e durante o processo.

Porém, vale ressaltar a importância da veracidade das fontes. Buscar informações em meios seguros é fundamental para que a ajuda traga resultados positivos. Da mesma forma que estas informações podem ajudar os pacientes, também atrapalham. É indispensável que a pessoa tenha em mente que cada caso é único e que a sua história, por mais semelhante que possa parecer com a do outro, não é a mesma. Além disso, os termos técnicos usados pelos médicos e profissionais da área, muitas vezes, não são compreensíveis para a população em geral, podendo gerar uma interpretação equivocada. Portanto, bastante cuidado é imprescindível, a sobrecarga de informação pode confundir e aumentar, ainda mais, os sentimentos negativos.

Observo, em minha atuação como psicóloga na área de Reprodução Humana, que ter informações sobre o seu problema é fundamental, as pessoas bem informadas se mostram mais seguras e lidam com os tratamentos de forma mais positiva. Mas vale ressaltar que nem sempre informação significa conhecimento, por isso, o médico continua sendo a fonte mais indicada para orientar.

* Ana Rosa Detilio Monaco é psicóloga da Fertivitro — Centro de Reprodução Humana.

Site/Blog: www.fertivitro.com.br

Facebook: www.facebook.com/fertivitro

Twitter: www.twitter.com/fertivitro

 

Papo de Mãe recomenda:

 


Tags: , ,