Criança também pode ter pressão alta e precisa ser monitorada

Por Dra. Maria Cristina de Andrade*, nefropediatra 

 

Apesar de a aferição da Pressão Arterial ser recomendada a partir dos 3 anos de idade, a prática ainda não está incorporada ao atendimento pediátrico rotineiro

 

Diversas entidades médicas internacionais de pediatria, entre elas a Sociedade Americana de Pediatra e a Organização Mundial da Saúde (OMS), recomendam que pediatras realizem a aferição da pressão arterial em crianças e adolescentes. A recomendação visa identificar quadros de hipertensão (HAS, hipertensão arterial sistêmica) na infância, já a partir dos 3 anos de idade, como medida preventiva. “As causas variam com a idade, sendo que quanto mais jovem e mais elevada a pressão arterial, maior a possibilidade de a hipertensão ser de causa secundária, isto é, devido a doença renal, por exemplo. O diagnóstico precoce, realizado através da mensuração da pressão arterial e controle adequado da hipertensão, evita que ocorram alterações crônicas no sistema cardiovascular e no processo de aterosclerose”, explica a nefropediatra Maria Cristina de Andrade, da clínica MBA Pediatria e da UNIFESP.

 

Desde a década de 60 são realizadas pesquisas para determinar os valores referenciais normais da pressão arterial (PA) em crianças e adolescentes. Uma das principais causas do aumento da prevalência de hipertensão infantil é a obesidade. Crianças obesas têm probabilidade maior de hipertensão em até 11%. No Brasil, o excesso de peso e a obesidade atingem 53% da população, incluindo as crianças.

 

A hipertensão arterial é uma doença crônica que, estima-se, acomete cerca de 20% de toda a população mundial. É um fator de risco para doenças cardiovasculares e AVC (derrame cerebral), insuficiência renal crônica, aneurismas e lesões nos vasos sanguíneos dos olhos.

 

Na grande maioria dos casos a pressão alta em crianças é assintomática. Em muitas situações, tanto na hipertensão primária, sem causa definida, quanto na secundária, devido a uma doença identificável (insuficiência renal, estenose de artéria renal, nefrites, alteração da tireoide, etc.), a hipertensão assintomática pode causar lesão de órgãos e, quando não tratada, a criança pode levar o quadro hipertensivo para vida adulta. Geralmente, na infância, as causas da hipertensão são secundárias; entre os adolescentes, a causa primária prevalece.

 

Crianças com doenças renais, prematuras, com problemas na tireoide e apneia e distúrbios do sono têm maior chance de ter hipertensão. Em adolescentes, a HAS primária geralmente associada à obesidade é mais frequente, e é preciso instituir mudança de hábitos alimentares e prática de exercícios físicos. Um dos fatores da obesidade entre adolescentes é a ingestão em alta quantidade de alimentos industrializados, calóricos e gordurosos.

 

Como os pais podem (e devem) ajudar no tratamento?

Os hábitos alimentares dos pais tendem a refletir nos filhos. Normalizar o peso é uma das principais iniciativas, e isso deve ser incentivado. “O tratamento é mais eficaz quando os pais participam, aceitam a doença da criança e incentivam todo o processo do tratamento, mantendo a rotina de medicação, da prática de exercícios e da intervenção nutricional”, esclarece a nefropediatra Maria Cristina de Andrade.

 

Quando aferir a pressão em crianças?

A aferição da pressão arterial em crianças que apresentam um quadro de saúde normal deve ser realizada a partir dos 3 anos de idade, uma vez por ano. Em casos de patologias identificáveis, a periodicidade deve ser menor. Quando há antecedentes mórbidos neonatais, doenças renais ou fatores de risco familiar, o pediatra deve averiguar a pressão antes dos 3 anos e em períodos mais curtos.

 

Como é feita a aferição em crianças?

O mais comum é a avaliação no consultório com técnica auscultatória (estetoscópio) e medição com esfigmomanômetro (compressor com bolsa inflável de borracha). Outro método é com técnica oscilométrica (aparelhos digitais), usualmente utilizados em prontos-socorros.

Além disso, para investigação mais aprofundada, pode ser realizada a monitorização ambulatorial de pressão arterial (MAPA), que exige a averiguação por um período de 24 horas.

 

A pressão arterial na infância e adolescência varia conforme a idade, sexo e altura da criança. De acordo com tabelas internacionais, a pressão arterial é classificada como normal, elevada e hipertensão arterial; sendo que a hipertensão é dividida em 2 estágios de acordo com a gravidade.

 

A aferição da pressão arterial deve ser realizada com o paciente tranquilo por 2 a 3 minutos. Para as crianças maiores de três anos utiliza-se a posição sentada. Em pacientes menores de três anos e lactentes, a aferição deve ocorrer com a criança deitada e com o braço ao nível do coração.

 

Doença Renal Crônica

A principal causa de hipertensão secundária em crianças e adolescentes é de origem renal, como estenose de artéria renal, nefrites e a doença renal crônica. A hipertensão em longo prazo pode causar doença renal crônica, podendo, inclusive, o paciente vir a necessitar de terapia dialítica na fase adulta. Esta evolução pode ser evitada com diagnóstico precoce da hipertensão arterial.

 

“O primeiro passo é realizar a aferição da pressão arterial nas consultas de rotina com o pediatra. Se for diagnosticada a hipertensão, deveremos investigar uma doença de base e possíveis co-morbidades para que o tratamento anti-hipertensivo adequado possa ser adotado”, conclui a nefropediatra da MBA Pediatra e da UNIFESP.

 

Dra. Maria Cristina de Andrade:

Mestre e doutora em pediatria pela Unifesp/EPM, especialista em pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria, com área de atuação em Nefrologia Pediátrica pela Sociedade Brasileira de Nefrologia e Sociedade Brasileira de Pediatria. Coordenação do curso de graduação em medicina da Escola Paulista de Medicina da UNIFESP.

 

http://mbapediatria.com.br

 

 

 


Tags: ,