Dificuldade na amamentação? Os bancos de leite humano ajudam

Por Cinthia Calsinski*, enfermeira obstetra

Que o leite humano é a melhor forma de alimentar um bebê, não resta mais dúvida: ele é o alimento mais completo nutricionalmente e capaz de reforçar o sistema imunológico, prevenindo uma série de doença no bebê e na mãe que amamenta. No início da amamentação as mulheres, assim como seus bebês, estão se adaptando um ao outro e, ambos, a amamentar/se alimentar. “É comum que a mulher tenha dúvidas relacionadas ao seu processo e, em alguns casos, o bebê pode não pegar a mama adequadamente. Com isso, pode haver ingurgitamento mamário e machucados nos mamilos da mãe”, enumera a enfermeira obstetra Cinthia Calsinski, da capital paulista. Para essas e outras dificuldades, os Bancos de Leite Humanos são ótimas opções para buscar ajuda. O Brasil possui a maior rede de Bancos de Leite Humano do mundo e é reconhecido pela OMS por seus esforços em relação ao tema. Os bancos de leite são iniciativas públicas ligadas a maternidades ou hospitais infantis que promovem o aleitamento materno em ambiente hospitalar e comunidade, assim como coletam, controlam a qualidade, pasteurizam e distribuem esse leite. “Qualquer família que tenha um problema ligado à amamentação, pode receber apoio e orientação de um banco de leite. E as mulheres com excesso de leite podem ser doadoras, ajudando a alimentar bebês que estão em UTIs neonatal de hospitais vinculados ao banco de leite que visitaram”, diz Cinthia. Em todo Brasil são mais de 200 bancos de leite que seguem padrões rigorosos indicados pela Anvisa. “Qualquer mulher que amamenta e que tem boas condições de saúde pode ser uma doadora de leite, podendo fazer a retirada do alimento em seu domicílio”, conta a enfermeira obstetra. O banco de leite realiza um processo de seleção e classificação do leite recebido, avaliando se ele foi armazenado e transportado corretamente, seu volume e sua quantidade de gordura. O leite materno também passa por pasteurização e controle de qualidade para ser congelado, tendo validade de seis meses.

 

*Cinthia Calsinski é enfermeira obstetra, preparada para analisar criticamente a situação da paciente e investigar problemas que possam prejudicá-la ou a seu filho, sempre buscando soluções através de diversos métodos científicos, é habilitada para conduzir um parto quando acontece de forma natural, analisar a gestante, verificar contrações, dilatações e demais alterações no funcionamento do organismo feminino no momento do parto, e discernir quaisquer alterações patológicas que possam requerer um atendimento médico especializado. Por meio de consultorias domiciliares, Cinthia prepara a mãe para o parto, amamentação, como lidar com um recém-nascido com todos os desafios que ele proporciona, cuidados de higiene, preparo do ninho (ambiente do quarto, disposição de móveis, enxoval, treinamento de babás), curso de primeiros socorros, reciclagem para avós, colocação de brincos em meninas. Tudo na tranquilidade do lar, com hora marcada.