Culinária Japonesa: meu filho pode comer?

Por Roseli Ueno Ninomiya*, nutricionista

 

A culinária japonesa é muito rica, porque busca equilíbrio nutricional e harmonia nos pratos 
  

Há alguns anos a culinária japonesa era vista como exótica e as pessoas “torciam o nariz” quando olhavam os pratos sendo preparados. A globalização permitiu o acesso à essa refeição e a comida japonesa caiu no gosto do brasileiro. Ela recebeu um toque do tempero brasileiro e hoje a maioria do pessoal que trabalha na cozinha dois restaurantes japoneses não é de origem nipônica e sim brasileiros, principalmente nordestinos. 

 
Mas os pais se sentem inseguros em levar os filhos pequenos para o restaurante japonês. Muitos acreditam que o cardápio se restringe ao peixe cru e arroz (SASHIMI OU SUSHI). No entanto, a culinária japonesa é muito rica em vegetais, peixes, soja e algas marinhas. Há preparações cozidas, assadas, cruas ou grelhadas. Além disso, os chefes se esmeram em trabalhar o visual, a harmonia do prato e o equilíbrio dos nutrientes. 

  

Alguns exemplos:  

– missoshiru – sopa a base de misso (pasta de soja fermentada), pode acompanhar cebolinha, algas, “tofu”, vôngole. Além de fornecer proteína vegetal, isoflavonas, é um alimento digestivo e de poucas calorias.  

– “tofu”- “queijo” de soja pode acompanhar gengibre e cebolinha  

– teppan yaki – preparação grelhada com legumes e proteína animal (peixe, frango, carne) e/ou vegetal (cogumelos)  

– sukiyaki – ensopado de verduras e legumes, tofu (“queijo” de soja), cogumelos e pouca quantidade de carne vermelha, muito apreciado no inverno  

– batayaki – legumes como berinjela, vagem, abobrinha, ervilha torta e outras verduras grelhadas  

– “gohan” – arroz branco sem tempero ou gordura. O arroz branco é cozido sem óleo ou sal 

– “mame” – soja verde cozida  

– vegetais – os legumes e verduras são cozidas “al dente” mantendo a textura e os nutrientes dos vegetais. Ricos em fibras, permite o bom funcionamento dos nutrientes, além de fornecer diversos minerais, vitaminas e antioxidantes.  

– Peixes (usados fartamente) além de fácil digestão, oferecem os aminoácidos essenciais (aqueles que o organismo não consegue produzir), e algumas variedades apreciadas como o atum e anchova são ricos em ômega 3.  

– alga marinha como “nori”, “kombu”, “wakame” – não fornecem praticamente calorias, conferem sabor e ajuda na imunidade, fornecem vitamina K que ajuda na circulação sanguínea.  

– cogumelos como shitakeshimekihiratake, entre outros: possuem poucas calorias, são ricos em fibras e ácido glutâmico (ajudam a fortalecer a imunidade).  

– “bento” – marmita que as crianças levam para o almoço ou jantar. São sempre coloridos, pouca quantidade e variado diariamente.  

 
O que vale ressaltar é que os pratos japoneses são sempre coloridos, ricos em verduras ou legumes diversos, “tofu” (queijo de soja), algas marinhas e pouca carne vermelha com mais frutos do mar e peixes. Há a busca pelo equilíbrio nutricional e harmonia nos pratos. Além de trabalhar a questão do visual, a ideia é comer com os olhos, logo não é a quantidade de alimentos que fará o prato saboroso e nutritivo. Sempre tem uma porção de proteína (na maioria das vezes peixes, aqui no Brasil tem as opções de carne e frango), carboidratos (arroz, inhame, cará), fibras (verduras e legumes diversos refogados ou cozidos – detalhe que são usados mais vegetais que não são habituais para os brasileiros no dia a dia , como raiz de bardana – “gobo” , cará, mostarda, espinafre japonês, raíz de lótus, gergelim, gengibre, cebolinha, cogumelos shitakeshimeji, entre outros). 
 

O cuidado é evitar o excesso do molho de soja (shoyu) e glutamato monossódico. E como em todo tipo de culinária, evitar ou não exagerar no consumo de preparações ricas em gordura como “tempura” (empanado a base de farinha e água e frito em imersão de óleo), sushis que usam peixe, camarões, vegetais fritos ou sushi empanado e frito. Não exagerar no arroz pois é fonte de carboidratos. Incentivar a criança a comer depende dos hábitos dos adultos. Se o adulto possui alimentação variada e cardápio equilibrado e diversificado, não fica difícil incluir um toque oriental. 

 

*Roseli Ueno Ninomiya é nutricionista formada pela Universidade de São Paulo (USP), pós-graduada em Marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), especialista em equipe multidisciplinar na Adolescência pela Universidade Federal de São Paulo – Unifesp. Trabalha com crianças e adultos e tem experiência em terapia intensiva, gestantes e nutrizes, obesidade, patologias alimentares em geral e qualidade de vida. É nutricionista da Clínica Mãe.

www.clinicamae.med.br