Apneia do Sono em crianças pode atrapalhar desenvolvimento intelectual

Por Dr. Alfredo Lara, otorrinolaringologista e cirurgião craniomaxilofacial

 

Sintomas da apneia do sono podem ser atribuídos erroneamente ao Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade

 

Em estudo de 1993, de 1% a 3% dos casos de apneia do sono, eram de crianças. Hoje, estudo do Journal of American Osteopathic Association considera que até 15% das crianças têm apneia do sono, mas 90% não são diagnosticadas muitas vezes porque os sintomas são atribuídos erroneamente a problemas psicológicos ou emocionais. O estudo Prevalência Global da Apneia Obstrutiva do Sono” apresentado pela ResMed em 2018 indica que a condição aumentou quase 10 vezes mais do que estimativas anteriores e atualmente afeta 936 milhões pessoas no mundo.

A conexão entre a apneia do sono e a perda de memória

Além do ronco e da sonolência diurna, os sinais de que o seu filho pode ter apneia do sono são se ele tem ou não uma falta de atenção e baixo desempenho na escola. Segundo um estudo realizado pela American Academy of Pediatrics que inclui mais de 11.000 crianças, aqueles com distúrbios respiratórios do sono têm significativamente mais probabilidade de mostrar sinais de hiperatividade, problemas de interação com colegas e conduzir questões incluindo agressividade e incapacidade de seguir as regras.  O estudo examinou os efeitos dos distúrbios respiratórios do sono em crianças a partir dos 6 meses. Pesquisadores descobriram que crianças muito novas que experimentaram alguma forma de distúrbios respiratórios do sono tinham, aos 7 anos, 40% a 100% mais probabilidade de ter problemas comportamentais semelhantes aos usados ​​para diagnosticar o TDAH”. O tratamento precoce é mais benéfico para a criança antes que surjam efeitos colaterais mais fortes que interfiram em suas habilidades de aprendizado.

Os pesquisadores explicam que o desenvolvimento neurocognitivo, a regeneração celular e o crescimento de tecidos e ossos ocorrem durante o estágio do sono profundo. Quando a respiração está obstruída nas vias aéreas superiores, o cérebro volta do sono profundo para o sono leve, a fim de retomar a respiração normal – impedindo a mente e o corpo de processos restauradores críticos.  Os sintomas incluem ronco, sono agitado, sonolência excessiva, ranger de dentes e apertamento da mandíbula, enxaquecas, enurese noturna e irritabilidade.

Dr. Alfredo Lara, otorrinolaringologista e cirurgião craniomaxilofacial diz que o encaminhamento para uma equipe multidisciplinar é ideal. Isso normalmente inclui um otorrinolaringologista pediátrico, especialista em sono, dentista treinado em desenvolvimento craniofacial e um terapeuta miofuncional. Lara diz que os dentistas muitas vezes são capazes de rastrear o problema porque está enraizado no desenvolvimento craniofacial disfuncional, que começa cedo. Bebês com problema na amamentação ou crianças com atraso na fala podem estar em risco de desenvolver apneia do sono.  “Muitos problemas nas vias aéreas vêm da má estrutura da mandíbula e a língua é crucial na formação da boca, mandíbula e cavidade nasal.”  Para as crianças diagnosticadas, existem algumas soluções cirúrgicas de remoção de amígdalas ou adenóides , mas se persistirem os sintomas, os dentistas podem empregar um expansor ortodôntico maxilar, para expandir o céu da boca, aumentando o volume da cavidade nasal e melhorando os padrões respiratórios.  “Uma vez que identificamos a apneia do sono, o tratamento geralmente é muito eficaz. O desafio é pegá-lo cedo o suficiente”, diz Lara. “Os primeiros anos são críticos para o desenvolvimento das capacidades vitais do cérebro, para suas capacidades mentais em geral ao longo de suas vidas, por isso é essencial que esta condição esteja no nosso radar.”

 

Estudo de 2019: https://jaoa.org/article.aspx?articleid=2723375