Qual a hora certa para o desfralde?

Foto: Getty Images

Por  Dr. Jorge Guberman*, pediatra

 

Pediatra dá dicas para quem deseja estimular os filhos a largar as fraldas

 O desfralde é um período que exige muita paciência dos pais, pois nem sempre acontece de forma rápida, além de contar vez ou outra com os ‘acidentes’ de percurso. O pediatra e neonatologista do Instituto Saúde Plena e do Hospital Albert Einstein, Dr. Jorge Huberman, explica que não existe idade certa para o desfralde acontecer. “O segredo é observar se a criança já tem capacidade de controlar as necessidades”, afirma o especialista.

É comum, apesar de não ser uma regra, que meninas costumem desfraldar com mais facilidade que os meninos. Ela também pode ser percebida quando a criança tem irmãos mais velhos. Huberman alerta, no entanto, para a pressa em adiantar o processo. “Há estudos que apontam que quando os pais tentam antecipar o desfralde, ele acaba levando mais tempo para acontecer”, explica. “O resultado é o mesmo, mas pode dar muito mais trabalho aos pais e pode causar estresse a toda a família, inclusive à criança”.

Para evitar problemas e saber como ajudar as crianças nessa transição, o pediatra aponta algumas ideias que facilitam a identificar se o momento é apropriado ou não e que também podem tornar o desfralde mais interessante para os pequenos:

 

·         Saiba se o momento para o desfralde é o ideal: “Opte por períodos de rotinas mais calmas e sem grandes mudanças previstas, como o início da vida escolar ou novidades na vida familiar, pois eles podem prejudicar a transição”, afirma o pediatra;

·         Observe se a criança resiste à novidade: “Fale sobre essa mudança abertamente com ela e verifique sua reação ao mencionar este assunto”, explica Dr. Jorge;

·         Mostre a ela como se faz: “Permita que a criança repare nas diferenças no jeito de urinar do pai e da mãe, explicando a ela como cada um utiliza o banheiro e também o jeito certo de se limpar, no caso das meninas”. Dr. Jorge observa ainda que livros ou desenhos podem auxiliar, mas não são necessários neste processo.

·         Utilize o bom e velho penico: “Ele dá mais segurança a criança”, ressalta o pediatra. “Mostre que o penico é dela – permita que ela cole adesivos e decore o objeto, personalizando-o”. 

·         Ou opte pelo adaptador: “Ele evita que a criança caia na privada e poupa os pais da limpeza do penico, mas pode assustar um pouco os pequenos no começo, por isso, é bom deixá-lo para quando já estiverem um pouco mais treinados”, explica Huberman. Ele orienta também, que pais deixem um banquinho por perto, para que as crianças possam apoiar as pernas e também utilizá-lo na hora de lavar as mãos.

·         Não brigue quando o xixi ou o cocô escaparem: “Ainda que a criança não demonstre preocupação com o fato de ter se sujado, segure a bronca o máximo possível, pois caso os pequenos se sintam mal por isso, todo o esforço para o desfralde pode ser em vão”.

·         Desfralde noturno: Só tire a fralda à noite quando seu filho passar a acordar quase sempre com a fralda seca e quando o desfralde diurno já estiver bem adiantado. “Uma boa maneira de saber se já dá pra tirar a fralda noturna é se a criança acordar com a fralda seca em três de cada cinco noites”, alerta o médico. Se não der certo no início, não desanime. “Explique para a criança que é melhor esperar um pouco e que depois vocês tentarão novamente, até que o organismo dela esteja mais acostumado”, ressalta.

O especialista explica que se os pais quiserem agilizar o processo, podem tirar a fralda de uma só vez. “Mas é preciso que eles estejam preparados para um grande número de acidentes, bastante comuns no início”. Ele afirma que, se a criança realmente estiver pronta, há chances de completar o desfralde em até uma semana.  No entanto, Dr. Jorge ressalta que o processo gradual é o mais indicado. “Ele se encaixa melhor na rotina da família e nos compromissos de cada um”, completa.

Atenção com as meninas

Dr. Huberman alerta para o cuidado com a saúde das meninas, que pode ser prejudicada com a má higienização. “É importante explicar para as meninas a sempre passarem o papel da vagina para o bumbum, e nunca o contrário” ensina o pediatra. “Caso a menina apresente necessidade constante de fazer xixi, reclame de dor ou comece a deixar escapar a urina, é indicado procurar um especialista para avaliar se há ou não algum tipo de infecção”, conclui o médico.

 

Papo de Mãe recomenda: 

 


Tags: , ,